Gramática » Crase 

Emprego da Crase:

CONCEITO:
Fusão ou contração de dois "a" (a+a) num só (à, marcado pelo acento grave), sendo um deles preposição e o outro artigo feminino ou pronome demonstrativo.

CASOS DE EMPREGO DA CRASE

_ Emprega-se a crase quando houver uma palavra de sentido incompleto que venha seguida da preposição "a", mais o artigo feminino "a" no singular ou plural, antes de substantivo feminino determinado.
Exemplos:
Pedro dirigiu-se a (preposição) + a (artigo) praça.
Pedro dirigiu-se à praça.
Ana dedica-se a+a igreja todo o tempo.
Ana dedica-se à igreja todo o tempo.
Meu tio era fiel a+a disciplina militar.
Meu tio era fiel à disciplina militar.
Todos estamos sujeitos a+as leis de Deus.
Todos estamos sujeitos às leis de Deus.
O rei ficava indiferente a+as súplicas do povo.
O rei ficava indiferente às súplicas do povo.
Você deve obedecer a+as normas do colégio.
Você deve obedecer às normas do colégio.

_ Em função de só poder haver crase quando da contração da preposição "a" com o artigo feminino "a", conseqüentemente não haverá crase antes de nomes masculinos, verbos, pronomes indefinidos.

Exemplos:

Os camponeses iam a pé para o trabalho, mas o capataz ia a cavalo.
O baile será promovido a partir das 20 horas.
Tenho muito a receber de indenização.
Com essa blusa não irei a nenhuma festa.
Ela lançava olhares maliciosos a certo rapaz no restaurante.

_ Também não acontecerá a crase antes de nomes próprios de cidade e da palavra "casa", a não ser que venham determinados.

Exemplos:

Amanhã regressarei a Brasília.
Amanhã regressarei à Brasília de meus sonhos.
Cansado, chegou tarde a casa. (Não há artigo definido antes da palavra casa quando se refere a sua própria casa: "Fiquei em casa", "Venho de casa".)
Cansado, chegou tarde à casa de seus pais.

_ Igualmente, não haverá crase antes dos vocábulos "cuja", "quem", "ela", "esta", "essa", "mim", "você", "vossa senhoria", "vossa excelência", etc.

Exemplos:

Este é o policial a quem devo minha vida.
Hoje foi empossada a nova diretoria a cuja determinação devemos de agora em diante obedecer.
Dei a ela uma bela flor e ela ofereceu a mim um lindo sorriso.
Darei a esta criança abandonada todo meu carinho.
Falarei a você todos os detalhes do filme.

_ Entretanto, existem alguns pronomes demonstrativos e de tratamento (como os pronomes referentes às mulheres) que aceitam a anteposição do artigo feminino, favorecendo, assim, o surgimento do fenômeno da crase.

Exemplos:

Contarei tudo à senhora (à senhorita, à madame, à dona, à dama, etc.)
Darei todos esses livros à mesma pessoa.
Só devolverei o dinheiro à própria dona.
Observação: Quando somente acontecer um simples "a" antes de um substantivo feminino plural, não ocorrerá a crase logicamente por falta do artigo.

Exemplos:

Esta lei se destina a casadas e solteiras.
Neste Congresso, falarei apenas a mulheres.

Note-se, no entanto, uma pequena alteração semântica na frase, se houver a presença do artigo feminino, passando-se de um sentido mais genérico (como no caso dos exemplos acima), para um sentido mais restrito.
Exemplo: Neste Congresso sobre sexualidade, falarei em especial às mulheres. (Aqui, pressupõe-se um grupo, uma platéia, onde as mulheres configuram uma parte desse grupo.)

_ Nas locuções adverbiais (expressões que indicam circunstâncias de tempo, lugar, modo, etc.), recomenda-se o emprego do acento grave nas
formadas de "a" mais palavra feminina no singular.

Exemplos:

Rita disse que chegaria à noite. (tempo)
Paulinho só comia à força. (modo)
A canoa estava à margem do rio. (lugar)
Miguel adora viver à toa.
(Como locução adverbial de modo, significando "a esmo, ao acaso, sem fazer nada, em vão" referindo-se ao verbo, à toa não leva hífen: "Passou a vida à toa"; "Anda à toa pelas ruas"; no entanto, quando aparece como adjetivo junto a um substantivo, significando "inútil, desprezível, desocupado, insignificante", à-toa deve ser escrito com hífen: "Era uma mulher à-toa"; "Não passava de um sujeitinho à-toa".)
Eles travaram um duelo à espada. (instrumento)
Prefiro escrever cartas à caneta do que à máquina. (instrumentos)
Pedro foi ferido à bala. (instrumento)
Outras locuções adverbiais muito empregadas: à beça, à deriva, à frente, à luz (dar à luz), À MÃO, à parte, à revelia, à tarde, à última hora, à unha, à vontade, às avessas, às claras, às ordens...

Incluem-se nessas expressões as indicações de horas especificadas.
Exemplos: à meia-noite, às duas horas, à uma hora, às três e vinte, etc.
Observação: Não confundir com as indicações não especificadas como: "Isso acontece a qualquer hora"; "Estarei lá daqui a uma hora".

_ Será facultativo o emprego da crase quando também for livre o uso do artigo. Isto acontecerá antes de nomes próprios de pessoas e antes de pronomes possessivos.

Exemplos:

Ofereci um presente a (à) Bruna.
Entregue essa documentação a (à) minha assessora que depois devolverá a (à) sua secretária.
Observação: Note-se que, quando se deseja mostrar mais intimidade com a pessoa de quem se fala, o emprego do artigo feminino junto à preposição é mais aconselhável. Todavia, se o tratamento é puramente formal, ou se a pessoa se tratar de personalidade pública, recomenda-se somente o emprego da preposição, não acontecendo, dessa forma, o fenômeno da crase.

Exemplos:

Contarei tudo à Raquel, minha melhor amiga.
Dedico esta homenagem a Rachel de Queiroz.

_ Acontecerá a crase nas locuções prepositivas constituídas de um substantivo feminino singular, precedido de "a" e seguido de "de". E nas locuções conjuntivas, onde o substantivo é precedido de "a" e seguido de "que".

Exemplos:

à maneira de, à moda de,
à custa de, à volta de,
à beira de, à sombra de,
à luz de, à distância de,
à vista de, à espera de,
à força de, à cata de,
à procura de, à medida que,
à proporção que, etc.
Observação: Algumas vezes pode-se omitir parte da expressão (que no caso fica subentendida), ficando o "a" com o acento grave diante de palavra masculina.

Exemplos:

Aquele meu amigo poeta usava cabelos à Carlos Gomes.
(à maneira de Carlos Gomes)
Cláudia decorou sua casa à Luís XIV.
(à moda de Luís XIV)

_ Quando a palavra "terra" for empregada com o sentido de "em terra firme", não acontecerá a crase.

Exemplos:

O navio atracou e os passageiros já se dirigiam a terra.
Ao chegarmos ao porto de Santos, não desci a terra.

Em contrapartida: "Os astronautas voltarão à Terra amanhã." (Terra = planeta)
"Em maio irei à terra de meus avós." (O substantivo terra vem determinado pela expressão "DE MEUS AVÓS")

_ Os pronomes "aquele(s), aquela(s) e aquilo" podem vir com o acento grave no "a", revelando que ocorreu o fenômeno da crase, quando antes deles vier palavra com sentido incompleto, seguida da preposição "a".

Exemplos:

Referiu-se a aquele livro de Camões.
Referiu-se àquele livro de Camões.
Aludi a aquela reunião do mês passado.
Aludi àquela reunião do mês passado.
Tecemos críticas a aquilo tudo que eles fizeram de errado.
Tecemos críticas àquilo tudo que eles fizeram de errado.

_ Antes dos pronomes relativos "que, qual, quais", pode ou não haver a crase, dependendo do seu antecedente. Se ao trocarmos mentalmente o antecedente feminino por um masculino e ocorrer "ao que, ao qual, aos quais", ENTÃO HAVERÁ A CRASE.

Exemplos:

Esta é minha terra à qual dedico esta vitória.
(Este é meu país ao qual dedico esta vitória)
Esta é minha terra a qual trago sempre na lembrança.
(Este é meu país o qual trago sempre na lembrança)
Ouvimos uma voz igual à que Ivo fazia quando estava bêbado.
(Ouvimos um grito igual ao que Ivo fazia quando estava bêbado)
Estas são as leis às quais devemos obedecer.
(Estes são os regulamentos aos quais devemos obedecer)
Dou-lhe essas referências as quais entregará ao novo chefe.
(Dou-lhe esses documentos os quais entregará ao novo chefe)

DICAS PARA CONFIRMAR A OCORRÊNCIA DA CRASE

1. Quando se puder substituir o "à" pelas formas "ao", "da" e "para a" (onde fica evidente a presença tanto da preposição quanto do artigo ), poderemos confirmar a ocorrência da crase.

Exemplos:

A sentença foi dada à ré.
A sentença foi dada ao réu.
Teus cabelos cheiram a rosa.
Teus cabelos cheiram a cravo.
Amanhã iremos à Bolívia.
Amanhã iremos para a Bolívia.
(Amanhã voltaremos da Bolívia.)
Viajaremos a Madri.
Viajaremos para Madri.
(Voltaremos de Madri.)
Cheguei à Bahia no domingo.
Vou para a Bahia no domingo.
(Cheguei da Bahia no domingo.)
Irei a Brasília hoje.
Irei para Brasília hoje.
(Cheguei de Brasília hoje.)

2. Não haverá a crase em expressões já cristalizadas no idioma como aquelas formadas por palavras repetidas.

Exemplos:

gota a gota, cara a cara, dia a dia, passo a passo, etc.

ALGUNS CASOS ESPECIAIS

_ ÀS VEZES / AS VEZES _
Ocorrerá a crase somente quando "às vezes" for uma locução adverbial de tempo (= de vez em quando, em algumas vezes).

Exemplos:

Às vezes, os alunos consultam os dicionários.
O Flamengo, às vezes, ganha do Vasco.

Quando a expressão "as vezes" não trouxer o significado acima, não acontecerá a crase.

Exemplos:

Foram raras as vezes em que ela veio ao Rio.
("as vezes" é o sujeito da oração)
Em todas as vezes, ele levou os documentos. (Não há a preposição "a", por isso não ocorre a crase; temos o artigo definido plural "as")

_ ATÉ A / ATÉ À _
Para muitos gramáticos, quando "até" for uma preposição, o uso do acento da crase no "a" que vem em seguida é facultativo. Na verdade, porém, a presença de "até", neste caso, torna desnecessário o uso da preposição "a", como igualmente acontece com outras preposições.

Exemplos:

Vou até a igreja depois do café.
Viajou para a França.
Está aqui desde as seis horas.
Chegará só após as vinte horas.

Atente para não confundir a preposição "até" com a partícula de inclusão (até = inclusive), em cujo emprego poderá ocorrer ou não a crase.

Exemplos:

Até (inclusive) a diretora (o diretor) compareceu à festinha dos alunos.
O rapaz se referia às colegas e até (inclusive) à amiga mais íntima (ao amigo mais íntimo).

NOTA IMPORTANTE

Até 18 de dezembro de 1971, o acento grave não tinha apenas a função de indicar a ocorrência da crase. Era usado também para marcar a sílaba subtônica de palavras como, por exemplo, "cafezinho", "somente" ou "unicamente". A sílaba tônica de "café" é "fé"; em "cafezinho", cuja sílaba tônica é "zi", a sílaba "fe" é subtônica; em "somente", a sílaba tônica é "men" e a subtônica é "so"; em "unicamente", a tônica é "men" e a subtônica, "u". Desse modo, até 1971, grafavam-se essas palavras com acento grave na sílaba subtônica: "cafèzinho", "sòmente", "ùnicamente". Isso ocorria com todas as palavras derivadas de primitivas em que existe acento agudo. Nas derivadas, esse acento agudo era trocado pelo acento grave. Este fato lingüístico é possível de se constatar em livros impressos antes de 1971 (ou até um pouco depois, porque as editoras levaram algum tempo para respeitar a alteração).